quinta-feira, 13 de agosto de 2009

SEM TERRAS TORTURADOS PELA BM COMANDADA POR LAURO BINSFELD

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) ,envia nota a este blog denunciando a ação truculenta e de tortura da Brigada Militar na ação dereintegração de posse da Prefeitura de São Gabriel (RS), ocorrida nestaquarta-feira à tarde. A violência e o uso, pelos governos, da políciamilitar para reprimir protestos dos movimentos sociais já se tornou comumno Rio Grande do Sul.
Pelo menos trinta pessoas, entre crianças e adultos, ficaram feridos –incluindo pessoas com dedos e braços quebrados – no despejo forçadorealizado pela Brigada Militar. Todos os 250 sem terra foram identificadose humilhados. Os manifestantes foram encurralados dentro da prefeitura,onde foram golpeados por cacetete, chutes e tapas dos policias.
No entanto, o fato ocorrido em São Gabriel nesta quarta-feira ultrapassouo limite do convencional e adquiriu características de tortura policial.As famílias relataram que, enquanto estavam na delegacia para seremidentificadas, continuaram recebendo golpes de cacetete, chutes, socos etapas dos policiais. Chegou a ser montado um “corredor polonês” em que aspessoas foram obrigadas a atravessar enquanto recebiam chutes e cacetadas.Inclusive a nova pistola elétrica, que deveria ser usada para ajudar naimobilização durante perseguição policial, foi utilizada para dar choquenas pessoas.
Nesta quinta-feira (13), integrantes do Comitê Estadual Contra a Torturaestão em São Gabriel conversando com as famílias sem terra e recolhendo osdepoimentos. O MST repudia mais essa ação violenta da Brigada Militar,dirigida pelo subcomandante Lauro Binsfeld - o mesmo que comandou odespejo das mulheres da Via Campesina em uma área da papeleira Stora Ensoem Rosário do Sul (RS), em 2008, e que resultou em quase cem manifestantesferidas.
O MST também repudia a decisão do prefeito de São Gabriel, Rossano Gonçalves, de ter se negado a conversar com as famílias e ter autorizado aação da Brigada Militar; e responsabiliza os governos estadual e federal,que não realizam a reforma agrária.O MST quer saber estão os recursosque o governo federal diz que liberou, mas o prefeito Rossano Gonçalvesafirma que ainda não recebeu. Enquanto Incra e prefeitura não assumem suas responsabilidades pelo assentamento, três crianças já morreram desde oinício do ano por falta de atendimento médico.AS lideranças do movimento também criticam o Ministério Público, que além de não encaminhar o pedido por escola feito pelas famílias, esteve presente na ação de despejo e foi conivente com aviolência policial.
As famílias seguirão em luta porque suas reivindicações não foramatendidas. Elas exigem melhorias em infra-estrutura no assentamento, quepassados nove meses de criação ainda não tem luz elétrica, água potável,estradas, escola para as crianças. Exigem também que o governo federal libere os R$ 800 milhões do orçamento do Incra para a reforma agrária e para oassentamento de todas as famílias acampadas no RS (conforme prevê o Termode Ajustamento de Conduta que não foi cumprido pelo Incra)., além da desapropriação do restante da Fazenda Southall e a liberação imediata, na Justiça, das Fazendas Antoniazzi e 33, em São Gabriel.

3 comentários:

Luciano Kelbouscas Pacheco disse...

Com certeza as ações depredatórias e a forma como "educadamente" os integrandes do MST (movimento sem registro legal) trataram a todos, inclusive os brigadianos, não serão registradas aqui no Blog. Uma pena! abraços, Luciano Kelbouscas Pacheco.

Solidariedade: "Um Grão de Mostarda!" disse...

Realmente meu amigo Luciano, é uma pena que neste Blog e a imprensa, não mostram o "treinamento de guerrilha" que os integrantes do MST possuem, os inúmeros "foragidos da justiça" infiltrados entre os manifestantes que, quando a polícia quer efetuar a revista pessoal e de seus pertences, são PROIBIDOS, ou os vândalos tatuados e com piercings pelo corpo que na realidade, "nunca pegaram em uma enchada" na vida. Mas estão lá, os coitadinhos... humilhados e maltratados pela polícia... Lembram daquele brigadiano pai de família que foi DEGOLADO em plena Esquina Democrática em Porto Alegre? Onde estava os "Direitos Humanos"? Atitudes como essa, são inúmeras...
Pois bem, ações depredatórias, falta de respeito, baixarias, mentiras descaradas, provocações, e principalmente o uso de mulheres e crianças para aparecerem na mídia e "disfarçarem" seus atos de vandalismo e pura baderna de pessoas de má índole, são costumeiras!! Daí, é mais fácil atirar pedras na polícia, tratá-la como vilã da história...O verdadeiro "colono", é uma pessoa séria, trabalhadora e extremamente educada e humilde de coração.
É engraçado que não foi comentado também, o atendado que o Cel Binsfeld sofreu, e pelas costas!! Os manifestantes e até mesmo você DAG sabe disso... Mas é melhor "tachar" a Brigada né? Dá mais ibope!!

Dionara Peres dos Santos

André disse...

Enquanto empresas como a Stora Enso, faturam milhões plantando grandes latifúndios nas terras do Rio Grande do Sul, financiando campanhas eleitorais para atuais governantes do Rio Grande do Sul afim de garantir seu "direito" ilegal de plantar e plantar madeira, onde toda a pasta de celulose é enviada para a Finlândia, e depois vendida para nós Brasileiros e Gaúchos em forma de papel manufaturado mais caro, vocês vem apoiar a violência de alguns soldados da Brigada?

Ninguém é santo. E alguém subordinado que vai ao interior do estado proteger os interesses pessoais de uma governadora, também não deve ter sido nada educado. É fácil generalizar e acusar todo o MST, não estou generalizando e nem tachando toda a Brigada, mas precisamos deixar de ser ingênuos, deixar de acreditar em tudo que a mídia nos faz engolir e começar a se interessar pelos fatos e pelas entrelinhas que são o mais importante.

Deus protega a Brigada, Deus proteja o MST, Deus proteja o povo do Rio Grande do Sul e o Brasil.