quarta-feira, 7 de outubro de 2009

EMILIA NO BLOG DA DILMA


O Blog da Dilma que tem Daniel Pearl como editor geral e Jussara Seixas como editora,vem difundindo o nome da companheira Dilma por todo o Brasil. Hoje é endereço certo para aqueles que acompanham a ministra no seu dia a dia,sendo visitado por profissionais da imprensa,petistas,internautas avidos por noticias da companheira Dilma,blogueiros e curiosos em geral.O nosso blog repete na integra a entrevista da deputada Emilia Fernandes -por sinal uma entrevista muito bem elaborada e de excelente conteúdo-a este importante blog da midia alternativa nacional.

1) Como Vossa Excelência analisa o quadro político do Estado do Rio Grande do Sul?

Deputada Emília Fernandes - Considero que a situação política no meu estado é extremamente grave. Sabemos das limitações financeiras estruturais e do reflexo disso nas questões orçamentárias, mas o déficit zero do governo tucano é um truque, basta não pagar as contas, não valorizar o funcionalismo e não fazer investimentos. A governadora prometeu um novo modo de governar e pelo contrário, a novidade no RS foi uma sucessão de escândalos como nunca ocorreu na história do Estado. Destaque-se que eles não foram apontados pela oposição. As primeiras denúncias partiram de pessoas de dentro do seu próprio governo e de sua equipe de campanha.
O Estado está assistindo o desenrolar da CPI da Corrupção com uma diferença muito significativa: a Justiça acatou denúncia feita pelo Ministério Público Federal (MPF). Foi por isso que a Assembléia Legislativa (AL), através de sua Mesa Diretora, aceitou o pedido de impeachment apresentado pelo Fórum dos Servidores Estaduais. O Estado e a AL aguardam o parecer da relatoria, feita por um quadro do PSDB e o acatamento ou não da recomendação de seu engavetamento. Os membros da CPI ainda têm um imenso trabalho pela frente, mas não silenciarão em quaisquer dos impasses que se colocam a cada momento, dificultando a composição do acervo da ouvida geral dos envolvidos, do depoimento das testemunhas e do cotejo dos esclarecimentos das denúncias de irregularidades. Porém, várias evidências e a intrincada rede de relacionamentos entre os entes públicos e entidades já começam a abafar o “chalreio” daquele longo e cumprido bico tucano. A governadora contra-atacou com o pedido de impedimento de seu vice, Paulo Feijó. O presidente da Assembléia, deputado Ivar Pavan, do PT, sequer considerou sua tramitação, arquivando-o dia 6 de outubro. Yeda também se revelou profundamente autoritária e insensível para lidar com os movimentos sociais. O funcionalismo e o magistério são tratados como inimigos. A governadora adotou uma política de criminalização dos movimentos sociais, como se vivêssemos ainda no tempo da ditadura.

2) Quais as possibilidades do PT eleger o novo governador?

Deputada Emília Fernandes - Quanto às possibilidades de o PT eleger o novo governador, elas devem ser consideradas por dois ângulos: por um lado, está evidente a fragilidade do atual governo e de seus aliados. Por outro lado é preciso atentar para uma característica muito forte da política gaúcha. O nosso Estado sempre foi muito polarizado politicamente. Isso quer dizer que, sem uma sólida política de alianças, o PT terá mais dificuldades para vencer. Por isso, afirmo que as perspectivas de vencermos estão condicionadas à construção de uma candidatura que privilegie as alianças. Tarso está liderando as pesquisas de intenção de voto no Estado, o que é bastante sintomático. Entretanto, não devemos considerar este fato isoladamente - pois, como sabemos, pesquisa é uma fotografia de um determinado momento – sem contingenciar estes resultados temporários, e, portanto inconclusíveis, à abertura, à conquista e à ampliação do desejável e necessário leque de alianças. A nova circunscrição do PT no Estado (e no país) está a exigir novas leituras políticas conjunturais e estruturais, sob a ótica de um país que se consolida como Nação. Os aperfeiçoamentos programáticos na relação com o campo popular e democrático e setores progressistas da sociedade, requerem um amplo diálogo com o setor produtivo e o empresariado em geral, atento à agenda ambiental e energética. Já aprendemos que não se pode pensar em democracia sem dividir as responsabilidades e as tarefas com outras agremiações partidárias e setores por elas representados. O sucesso do governo Lula está aí, mostrando como num país com dimensões continentais, a política deve ser conduzida. O nosso candidato Tarso Genro tem a mesma visão e com sua experiência e capacidade de articulação têm todas as condições programáticas para conquistar aliados e se tornar o governador do Rio Grande em 2010. E eu estarei ao seu lado para fazer o Estado recuperar tudo aquilo em que retrocedeu nos últimos governos e avançar com ética, determinação e igualdade.

3) O Brasil quebrou como falavam os tucanos e parcela da mídia brasileira?

Deputada Emília Fernandes - Os que apostavam nisso tiveram que morder a língua. A crise mundial, obviamente, teve reflexos no Brasil, mas as medidas adotadas pelo governo Lula sustaram o pânico representado por uma recessão quase imponderável. O Brasil deve ser um dos poucos países do mundo a fechar 2009 com PIB positivo. Por não confundir governo e Estado, Lula foi dando concretude ao entendimento de que os governos são instrumentos de fortalecimento do Estado, mediante a implantação de políticas de interesse nacional - sociais, educativas, culturais, econômicas, a política externa independente, entre tantas outras. Hoje, o governo arrecada mais e melhor, canalizando recursos para o desenvolvimento econômico e as políticas sociais. Diminui a taxa de juros, reduz a remuneração do capital especulativo e a transferência de renda ao capital financeiro. As empresas estatais estão mais fortes e mais eficientes e o freio às privatizações, que quase vitimaram o Brasil nos acordos assinados com o FMI por FHC. O país está mais com a cara de seu povo. Vivemos outro projeto nacional. E o Brasil pode perceber, claramente, as diferenças entre os dois modelos que se sucederam na Presidência da República.

4) Quais foram os avanços do Governo Lula durante esses anos no poder?

Deputada Emília Fernandes - A revista inglesa The Economist, a bíblia dos liberais, dá a mão à palmatória e elenca uma série de medidas para a boa forma da economia brasileira: a manutenção do nível da dívida pública abaixo dos 40% do PIB, a troca da moeda estrangeira por títulos em real nos empréstimos, o acúmulo de US$ 200 milhões em reservas internacionais para proteger o real e a redução da taxa básica de juros, são algumas delas. O Estado brasileiro hoje é muito mais democrático, mais integrador e provedor de direitos para homens e mulheres. Índios, negros, crianças, adolescentes, idosos, portadores de deficiência, sem teto, sem terra, sem alimento, mulheres, aposentados, categorias profissionais, sindicatos, opositores, jamais tiveram o espaço que hoje detém no cenário nacional para se manifestar e (re) construir o discurso da inclusão cidadã em todos os níveis. As ações que o Governo Lula, vem efetuando em todas as áreas permitiram que mais de 50 milhões de brasileiros e brasileiras melhorassem de vida, sendo que 20 milhões de famílias saíram da pobreza e migraram para a classe média. Lula criou novas universidades públicas federais; criou o ProUni; expandiu o ensino profissionalizante, com a criação de mais de 150 escolas técnicas federais e o Programa de Luz para Todos levou qualidade de vida e a esperança à milhões de moradores do campo, é um dos exemplos bem sucedidos. A agricultura familiar tem sido valorizada e o orçamento do Pronaf fortalecido. Com a implementação do PAC, serão investidos bilhões de reais para reforçar a infra-estrutura, fortalecendo a política de estímulo ao setor privado, com geração de emprego e melhoria de vida da população. Nosso governo orientou a Petrobras a ampliar os investimentos, empresa com capacidade científica e tecnológica reconhecida mundialmente, está aí o Pré-Sal. O salário mínimo teve aumento real de 46% desde 2003, o magistério conquistou o piso nacional e, ainda reduziu IPI, IOF e o Imposto de Renda dos assalariados. Em resposta à crise mundial, o governo federal, lançou o programa de habitação popular, “Minha Casa, Minha Vida”, reconhecido como a mais importante iniciativa do setor na história do Brasil. O mercado de trabalho aponta números claros: entre janeiro de 2003 e janeiro de 2009, o desemprego (Seade-Dieese) foi reduzido de 18,6% para 12,5% (redução de 33%). Foram gerados 7,7 milhões de empregos formais. Temos que reconhecer que falta muito que fazer, mas a agenda positiva brasileira é exemplar. Tarso Genro, elaborador e gestor de macro-políticas nas áreas em que atuou em âmbito federal e sua experiência executiva na Prefeitura de Porto Alegre, eleito que foi duas vezes prefeito, sem dúvida, é um quadro político dos mais preparados do país para governar o Rio Grande do Sul, pela sua importância estratégica para o Brasil e América Latina, em especial, o bloco dos países que integram o MERCOSUL. Se eleito, estarei ao seu lado. Ajudando a enfrentar e superar problemas com a agenda positiva de um novo Rio Grande que queremos colocar à serviço e à disposição da soberania popular.

5) O que representou para o povo brasileiro, o pagamento pelo Governo Lula da dívida com o FMI e o Clube de Paris?

Deputada Emília Fernandes - O Brasil novamente está fazendo história com o empréstimo de 10 bilhões de dólares ao FMI, e a quitação, lá em 2006, da dívida com o Clube de Paris, de US$ 2,6 bilhões. Penso que esta decisão foi gestada com requintes típicos de um estrategista como Lula, e sua aguçada visão voltada para o futuro. Como se sabe, o Brasil pleiteia uma vaga permanente na ONU. Da condição de devedor, o país passa a ser credor do FMI, com apoio inclusive da oposição política e de setores tradicionalmente críticos à situação. Isso tem um significado muito grande, tanto em âmbito nacional como internacional, pois muda a correlação de forças, reafirmando o papel do Brasil como uma das principais e sólidas economias de mercados emergentes, ajudando a outros países em dificuldades extremas. Mesmo estando livre das dívidas com o FMI, o Brasil ainda possui uma dívida externa, no entanto, esta é a primeira vez em que temos condições de ajudar outras nações.

Visite o site da Deputada Emília:http://emiliafernandes.com/site/

6) Em sua opinião o presidente Lula fará o seu sucessor em 2010?

Deputada Emília Fernandes - Creio que as condições para a sucessão estão dadas, considerando o excelente desempenho dos dois mandatos conduzidos por Lula. O governo federal proporcionou o surgimento de um cenário político inédito para o País. A política brasileira está mudando radicalmente a olhos vistos. Nós temos uma candidata, a ministra Dilma Rousseff, que reúne amplas condições de levar adiante e ampliar o nosso projeto para o país. Na chefia da Casa Civil, a ministra vem demonstrando sua visão ampla, moderna e consistente sobre o Brasil, seus desafios e soluções. Além disso, ela simboliza a esperança de milhares de mulheres brasileiras que vêm assumindo um protagonismo na sociedade brasileira. A começar pelas camadas mais pobres, onde as mulheres quase sempre lideram e sustentam seus lares e famílias. Mesmo num ambiente de novidades e mudanças como as que estamos vivendo, tenho a convicção de que a Dilma representa este “conteúdo inovador da política brasileira”, correspondente às exigências da contemporaneidade. Sempre defendemos que “lugar de mulher é na política”, ocupando espaços de poder e de decisão e, construindo cada vez mais através da perspectiva de gênero, novos avanços nas políticas públicas e na divisão das riquezas do país. Dilma tem todos os sentidos apurados na política e também reserva para si um valor fiduciário por todos reconhecido, no saber cuidar das coisas que dizem respeito ao desenvolvimento, sempre com o olhar atento ao meio ambiente e à melhoria da educação. A disposição do nosso partido é debater um programa de governo e estabelecer compromissos políticos com o país, estabelecendo uma aliança estratégica com o povo, com a intelectualidade progressista, com os movimentos sociais e com os partidos. O povo brasileiro deseja e o Brasil merece reeleger o projeto democrático-popular que está dando certo, liderado pelo presidente Lula. Tenho convicção e fé que cresceremos com solidez e iremos para a disputa em condições de vitória. Temos uma candidata à altura dos desafios que se colocam e o reconhecimento nacional da capacidade política e administrativa para administrar nosso país. Por isso, estou plenamente confiante e professo a opinião de que venceremos as eleições presidenciais em 2010, no século destinado a ser ocupado por mulheres no comando.

7) Durante sua trajetória política, a senhora foi vereadora, senadora, ministra de Políticas para as Mulheres do governo Lula e atualmente é deputada federal. Comente um pouco sua atuação.

Deputada Emília Fernandes - Assumi meu mandato de Deputada Federal em fevereiro deste ano. Integro as Comissões de Desenvolvimento Urbano, a de Trabalho e Serviço Público e a de Participação Legislativa. Além de várias Frentes Parlamentares: em defesa da criança e do adolescente; da pequena e média empresa; do direito à igualdade LGBT; do piso nacional do Magistério; da Segurança Alimentar; dos Correios; da Petrobras, entre outras. Ocupo o cargo de Procuradora Adjunta da Procuradoria Especial da Mulher, instituída este ano na Câmara dos Deputados e Integro a CPI que investiga o desaparecimento de crianças e adolescentes. Sou autora da Lei 12. 006/2009, que incluiu no Código de Trânsito Brasileiro, mecanismos para a veiculação de mensagens educativas de trânsito nas peças publicitárias de produtos automotivos, em todo o Território Nacional. No Senado, conquistamos um importante espaço de valorização das mulheres, com a instituição do Diploma Mulher Cidadã Bertha Lutz, de minha autoria, que anualmente destaca mulheres com trabalho na área dos direitos humanos e nas questões de gênero.Na SPM – Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres da Presidência da República, propusemos a Conferência Nacional de Políticas para as Mulheres (já realizadas em 2004 e 2007); a instalação de número telefônico para denuncia de violência contra as mulheres, Lei 10714/03, de minha autoria - hoje 180 e a criação da ouvidoria. Também a elaboração do Programa Nacional de Prevenção, Assistência e Combate à Violência contra as Mulheres, lançado em 2003, pelo Presidente Lula.
Neste ano a Câmara aprovou na LDO/2010, emendas de minha autoria que visam à destinação de recursos para o Bioma Pampa; para o enfrentamento à violência contra as mulheres e para a melhoria de trecho da malha metroviária da grande Porto Alegre.Temos realizado um intenso trabalho de articulação para a aprovação da PEC 047/03, que prevê a inclusão da Alimentação como direito social, na Constituição Brasileira e da PEC 590/06 que inclui mulheres na Mesa da Câmara e do Senado e nas Comissões, entre outros vários temas.rograma Nacional de Prevenção, Assistência e Combate à Violência contra as Mulheres, lançado em 2003, pelo Presidente Lula. Neste ano a Câmara aprovou na LDO/2010, emendas de minha autoria que visam à destinação de recursos para o Bioma Pampa; para o enfrentamento à violência contra as mulheres e para a melhoria de trecho da malha metroviária da grande Porto Alegre.Temos realizado um intenso trabalho de articulação para a aprovação da PEC 047/03, que prevê a inclusão da Alimentação como direito social, na Constituição Brasileira e da PEC 590/06 que inclui mulheres na Mesa da Câmara e do Senado e nas Comissões, entre outros vários temas.
O Blog da Dilma agradece a deputada petista do Rio Grande do Sul, Emília Fernandes pela ótima entrevista dada ao nosso blog. Também ressaltar o carinho de toda equipe do seu Gabinete. As portas do Blog da Dilma estarão sempre abertas para nobre deputada. Atenciosamente, Daniel Pearl - editor geral; Jussara Seixas - editora.

Um comentário:

Daniel disse...

Companheiro Dagoberto, nosso carinho e respeito. O Blog da Dilma abre espaço pra você manifestar suas opiniões, sugestões e críticas. Precisamos de unidade para levar com determinação a candidatura da Ministra Dilma Rousseff a presidência em 2010. Um grande abraço, Daniel Pearl - editor geral.